English

TítuloImpacto da ingestão alimentar no controlo glicémico de diabéticos tipo 2 não-insulinotratados
AutorAlmeida, Sandra
OrientadorMagalhães, Tânia
GéneroTese de Licenciatura
LínguaPortuguês
Data_ / 10 / 2006
ResumoIntrodução: A prevalência da diabetes mellitus (DM) tipo 2 a nível mundial está a aumentar, prevendo-se a duplicação do número de diabéticos até 2030. A adopção de hábitos alimentares de acordo com as recomendações nutricionais é essencial na melhoria do controlo glicémico do diabético. A distribuição da ingestão alimentar ao longo do dia deverá ser baseada nas preferências individuais do doente, não existindo recomendações específicas sobre a necessidade e composição nutricional da ceia. Objectivos: (1) Caracterizar a ingestão alimentar de uma amostra de utentes diabéticos; (2) Avaliar a associação entre a ingestão alimentar e o controlo glicémico, considerando o número de refeições diárias e a existência e composição da ceia; (3) Avaliar a associação entre o tempo de jejum nocturno e a ocorrência de hipoglicemias nocturnas. Métodos: Estudo transversal realizado em utentes diabéticos tipo 2 não insulinotratados do Centro de Saúde (CS) da Senhora da Hora. A amostra foi constituída por 61 indivíduos (31 mulheres e 30 homens). Recolheram-se dados sócio-demográficos, clínicos, antropométricos, controlo glicémico e frequência em consulta de nutrição. Aplicou-se um questionário alimentar de recordação das 24 horas precedentes e colocaram-se questões sobre a alimentação habitual dos inquiridos. Resultados: Existem associações negativas entre a idade e a glicemia capilar em jejum (GJ) e entre a escolaridade e a hemoglobina glicosilada (HbA1c). Os vários grupos de actividade profissional actual e profissão anterior têm um controlo glicémico significativamente diferente. Quanto à ingestão alimentar, existe uma associação positiva entre o valor energético total (VET) e a GJ. No sexo feminino, existem associações positivas entre o VET e a ingestão de hidratos de carbono (HC) e a GJ. O número de refeições está inversamente associado ao valor de HbA1c. Quanto à ceia, demonstraram-se associações positivas entre o valor energético e da ingestão de HC com a GJ, no sexo feminino. Constataram-se diferenças nos valores médios de GJ entre diferentes grupos de consumo alimentar à ceia. Conclusões: Estabeleceram-se algumas associações entre a ingestão alimentar e o controlo glicémico dos diabéticos tipo 2 não-insulinotratados. Este estudo sugere que um maior número de refeições, mantendo um controlo do VET, será benéfico para o controlo glicémico e que a existência de ceia será vantajosa, desde que nutricionalmente equilibrada. Seria interessante a realização de mais estudos, nomeadamente na população portuguesa, para se obter resultados conclusivos.
Cópia Local CompletaFicheiros:
Impacto da ingestão alimentar no controlo glicémico.pdf (303 KB) -

Metadados
FicheiroTipoDataModoName Space
oai_dc.xmlDescritivoGeradohttp://www.openarchives.org/OAI/2.0/oai_dc/
marc.xmlDescritivoGeradohttp://www.bn.pt/standards/metadata/marcxml/1.0/
tel.xmlDescritivoGeradohttp://krait.kb.nl/coop/tel/handbook/telterms.html
mets.xmlEstruturalGeradohttp://www.loc.gov/METS/
deptalv1.xmlDescritivoGeradohttp://deptal.bn.pt/xsd/deptal/1.0/
iso2709.isoDescritivoGeradoiso2709

Identificador DiTeD31590
Data de Registo
Validado pela AdministraçãoNão
Data da Última Modificação
printImprimirEnglish